free countersVisitantes desde 16/08/2012

SALVADOR EM FESTA EM LOUVOR DE SANTA SOFIA - 31 DE AGOSTO A 03 DE SETEMBRO DE 2012

Lindo Salvador, Aldeia da tradição, Lindo Salvador, Terra do meu coração...
Domingo, 23 de Novembro de 2008
José Gameiro

As gentes da nossa aldeia foram mais uma vez noticia no jornal Reconquista, desta vez na sua edição de 13 do corrente mês, pode-se ler a história da vida de José Gameiro que aos 92 anos, guarda em si um espirito de juventude invejavel. Todos em Salvador conhecem o José Gameiro e por isso sabem a sua idade, mas ninguem diria que aquele homem com a sua genica está a menos de 8 anos de completar uma século de vida. 

 

A seguir reproduzo a noticia de Jaime Pires do jornal Reconquista.

 

"Ainda cultiva a terra com ajuda do macho

O descanso do antigo contrabandista

Aos 92 anos, José Gameiro não sabe o que é ir a um médico ou ingerir um comprimido. O ex-contrabandista é dos homens mais idosos da aldeia de Salvador.

 

 

Quando nasceu ainda o homem não tinha pisado a lua. Mas sobre este feito diz que “na lua andamos nós”, distraídos com coisas que afinal não servem para nada e se assim continuar no mundo visto aos olhos de José Gameiro, “ainda vai haver muita fome”. Do passado o ancião da freguesia do Salvador, em Penamacor, andou durante 9 anos no contrabando e mais de 20 passados no outro lado da fronteira. Foram muitos os companheiros que ajudou a partir a salto pela noite, porque o contrabando era actividade recorrente num país onde tudo faltava. A galope num cavalo, José Gameiro conhecia bem as serras e rios que tinha que atravessar e com ele todos os outros contrabandistas que arriscavam a vida por uma vida melhor.

 

José Gameiro é do tempo em que a fome e a miséria se abateram sobre a Raia, onde mais de metade da população emigrou. Os que ficaram dedicaram-se ao campo ou ao contrabando.

 

Passados 9 anos no contrabando José Gameiro foi dos poucos da sua geração que resistiu aos apelos do estrangeiro e regressou ao Salvador, mas por pouco tempo. Chegou ainda a tomar conta de umas poucas cabeças de gado mas o apelo a regressar a Espanha foi mais forte. E por lá andou cerca de 20 anos. Nesse tempo havia gente na aldeia, mas não a suficiente para encher a escola primária, local onde José Gameiro nunca chegou a entrar porque era preciso para trabalhar e ajudar a família de oito irmãos.

 

O homem que viveu dos dois lados da fronteira junta-se hoje aos de mais idade, todos com mais de 90 anos. Mas, José Gameiro é dos poucos que pode dizer com orgulho que nunca foi ao médico e nunca ingeriu um comprimido. As maleitas da vida lá as foi suportando como podia. Do passado lembra o tempo em que no Salvador, os da sua geração, fugiram à fome, outros à guerra colonial e outros partiram à procura de melhor vida e deixaram a terra ao cuidado dos mais velhos. Hoje os novos não querem trabalhar a terra e José Gameiro, o homem que aos 92 anos ainda com a ajuda de um macho cultiva a terra, diz com tristeza que “hoje não querem trabalhar, ninguém quer o campo mas ainda haverá muita fome”. Os campos estão baldios porque dizem que a agricultura já deu o que tinha a dar mas José Gameiro não desiste daquilo em que acredita e todos os dias são passados no campo, porque diz, nunca ter feito outra coisa.

 

Dias de contrabando

 

As memórias de José Gameiro confundem-se com as memórias do contrabando e foi lembrando que “levar café para o outro lado significava trazer dinheiro para sustento da família”. O ex-contrabandista sorri ao lembrar-se das artimanhas que encontrava para enganar a Guarda-Fiscal e os carabineiros, que controlavam a zona de fronteira. José Gameiro dormiu ao relento e um dia o cavalo fê-lo mergulhar até ao pescoço no rio. Enfrentou perigos que nem os 92 anos os fazem apagar da memória das vivências do contrabando que fazem parte da história da Raia. Chegou a temer o pior nas viagens que fez vezes sem conta transportando café e fazendas. Hoje, viúvo, com quatro filhos, passa os dias a trabalhar no campo com a ajuda do macho a que chama de “marreco”, porque nas suas terras não há máquinas que entrem, só mesmo ajuda de uma gadanha e da força humana.

 

Acompanha a refeição com um copo de vinho e ao deitar não dispensa um golinho de aguardente. Gosta de dançar, de ver televisão e já fez vezes sem conta o trajecto a pé entre Penamacor e Salvador."

 

  



publicado por salvador4ever às 23:52
link do post | comentar | favorito
|

Olho aberto e ourelha à escuta

DESLIGUE A RADIO... E PLAY

NOVIDADES ...

Festas de Verão em louvor de Santa Sofia - 31 de Agosto a 03 de Setembro de 2012
Ouvindo ...


Radio Cotonete
...

Agosto 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
17
18

19
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Posts Recentes

Um artesão de concertinas

Festas de Verão em Salvad...

ZCM 3419 - Época Venatóri...

Roubo do sino da capela d...

A triste matemática ... 1...

Festa de Santa Sofia 2011

POSTO DE CORREIOS

FESTAS EM HONRA DE SANTA ...

Convivio em Lisboa - Parq...

Salvador coberto de neve ...

Arquivos

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Agosto 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

tags

2008(2)

2009(3)

2010(2)

adsl(2)

associação(3)

bandalouka(2)

caça(4)

campo frio(2)

cartaz(4)

espanha(2)

festa(10)

idoso(2)

javali(2)

montaria(2)

onda m(2)

padaria(2)

penamacor(23)

portugal(2)

salvador(32)

santa sofia(9)

todas as tags

LINKS
As minhas fotos
Á procura de ...

Dicionário
Eu ...
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds