free countersVisitantes desde 16/08/2012

SALVADOR EM FESTA EM LOUVOR DE SANTA SOFIA - 31 DE AGOSTO A 03 DE SETEMBRO DE 2012

Lindo Salvador, Aldeia da tradição, Lindo Salvador, Terra do meu coração...
Sábado, 1 de Abril de 2006
Adufe

Na freguesia do Salvador

A artesã que dá corpo ao adufe

 

 

Lídia Vinagre vai para quatro anos que seguiu o mesmo trabalho dos pais: fazer adufes. Hoje é a única artesã no concelho de Penamacor a 'construir' este instrumento musical, característico da raia. Das suas mãos e dos seus progenitores saem os últimos adufes feitos em terras de Penamacor.
 

 

Aos 36 anos, Lídia Vinagre é a última das artesãs no concelho de Penamacor a fazer adufes, apesar de revelar que não sabe tocar o instrumento musical mais característico da raia. A artesã, de regresso à freguesia do Salvador, onde residem os pais, depois de ter vivido em Idanha-a-Nova, optou por não deixar morrer a tradição e seguir o trabalho iniciado pelos pais, depois destes terem sido subsidiados por um programa comunitário da Adraces. Lídia Vinagre formou a sua micro-empresa que, para além de fabricar o adufe, também o comercializa. Até o adufe começar a rufar há todo um percurso que Lídia Vinagre conhece como ninguém. Em Espanha procura a matéria-prima, peles que, diz, serem de melhor qualidade para serem limpas, através da utilização de químicos, para tirar o pêlo. É essencial a passagem por várias águas, depois da lavagem das peles, para retirar todo o químico utilizado no início do longo percurso do adufe, a que se segue a estrutura em madeira. “A armação em madeira, que inicialmente era feita em madeira de pau de laranjeira, é hoje trocada por madeira de pinho ou eucalipto”, refere, porque aquela já não existe em quantidade para assegurar o trabalho. Depois de molhada a pele é, então, esticada na armação, utilizando Lídia Vinagre os agrafos em vez de fio, dizendo que a pele depois de seca tende a encolher o que leva muitas vezes a rebentar o fio. Daí que a artesã prefira agrafar a pele do adufe. Apesar de utilizar esta técnica diz que sempre que é feita uma encomenda, se o cliente prefere que o adufe seja cozido, então recorre à técnica mais artesanal. A secagem da pele torna-se essencial a uma temperatura a rondar os 25 graus porque a humidade faz com que a pele fique mole e por tal, não emite som. A última parte do percurso do fabrico de um adufe é de cariz mais artística, onde são utilizadas fitas e os ornamentos que dão beleza e cor ao instrumento musical.

É das mãos de Lídia Vinagre que saem os adufes que hoje estão espalhados pela região e pelo país. Na freguesia de Salvador tem um posto de venda ao público mas o negócio dos adufes, na conjuntura actual do país também está a sofrer uma quebra de vendas. “Apesar da crise, vendemos para a Serra da Estrela, Sortelha e Monsanto” diz a artesã que dá corpo ao adufe que não tem tido muita compra por parte dos turistas, dado que a freguesia onde os produz não faz parte do percurso turístico da região, o que leva a que a aldeia não seja um local de eleição turística. Lídia Vinagre poderá ser a última das artesãs, em conjunto com os pais, a fazer adufes na freguesia, porque na aldeia não há quem queira aprender a arte e dar continuidade ao fabrico, para que o rufar continue a soar pelas mãos das adufeiras.

Hoje a artesã tem presença assídua em feiras para mostrar ao vivo o que os nossos antepassados nos legaram. A adufeira do Salvador tem participado em alguns certames, dando a conhecer o instrumento que para se fazer ouvir tem que levar no seu interior pequenas pedras e caricas, dando assim o som característico do adufe. Nas armas do adufe, o pau de laranjeira é agora trocado por eucalipto, são os sinais da modernidade a alterar a tradição do fabrico, mesmo assim o adufe continua a ser tocado com mestria pelas mãos das adufeiras. No Salvador, Lídia Vinagre poderá ser o último dos redutos do concelho de Penamacor a deixar para a próxima geração os últimos adufes feitos na região.

 

 
Retirado do jornal "Reconquista" edição n.º 3066 de 17/12/2004

tags:

publicado por salvador4ever às 23:40
link do post | comentar | favorito

Olho aberto e ourelha à escuta

DESLIGUE A RADIO... E PLAY

NOVIDADES ...

Festas de Verão em louvor de Santa Sofia - 31 de Agosto a 03 de Setembro de 2012
Ouvindo ...


Radio Cotonete
...

Agosto 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
17
18

19
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Posts Recentes

Um artesão de concertinas

Festas de Verão em Salvad...

ZCM 3419 - Época Venatóri...

Roubo do sino da capela d...

A triste matemática ... 1...

Festa de Santa Sofia 2011

POSTO DE CORREIOS

FESTAS EM HONRA DE SANTA ...

Convivio em Lisboa - Parq...

Salvador coberto de neve ...

Arquivos

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Agosto 2011

Agosto 2010

Maio 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

tags

2008(2)

2009(3)

2010(2)

adsl(2)

associação(3)

bandalouka(2)

caça(4)

campo frio(2)

cartaz(4)

espanha(2)

festa(10)

idoso(2)

javali(2)

montaria(2)

onda m(2)

padaria(2)

penamacor(23)

portugal(2)

salvador(32)

santa sofia(9)

todas as tags

LINKS
As minhas fotos
Á procura de ...

Dicionário
Eu ...
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds